Tondela, Viseu

Artesanato

VOTE JÁ: 760 207 798

Molelos, freguesia do atual concelho de Tondela, outrora sede do antigo concelho de Besteiros, com foral novo dado por D. Manuel I em 1515, situada numa vasta zona planáltica, protegida a oeste pela Serra do Caramulo, é um dos últimos lugares de Portugal onde ainda se fabrica cerâmica pelo processo de cozedura redutora, vulgarmente chamada cozedura de barro negro.
A freguesia, desde épocas remotas, tem sido um importante centro produtor de artefactos de barro negro. As excelentes argilas de exploração de âmbito local e as crescentes necessidades do mercado, levaram ao desenvolvimento de uma importante atividade artesanal, tornando os oleiros e a sua arte, uma notável escola para muitas gerações.
Cântaros, bilhas e moringues, padelas, assadores e fogareiros, bilhas de segredo, jarros, púcaros, talhas, alguidares e tendedeiras, chocolateiras, etc., fazem ainda parte do inventário tipológico, cumprindo, umas funções tradicionais, utilitárias, outras decorativas, estéticas, com padrões ornamentais de cariz popular
As referências históricas documentadas sobre a existência de atividade relacionada com a arte do barro são inúmeras e conferem a Molelos um lugar de destaque, quer na Beira Alta, quer nos territórios circundantes. Inúmeros autores e estudos revelam uma assinalável persistência e permanência desta arte na freguesia.
Desde meados do século XX, um conjunto de vicissitudes afetaram a continuidade da existência de uma forte comunidade de oleiros em Molelos: a emigração na freguesia, o aparecimento e a concorrência de produtos alternativos de conservação dos alimentos, a mobilidade profissional, o envelhecimento dos oleiros.
Porém, na década de oitenta do século passado, uma nova geração de artesãos e artistas com poder criativo e determinados em vencer, implantaram-se no mercado, procurando novas abordagens, com sofisticação de padrões estéticos, estilização de tipologias, com novos usos e conquista de territórios, com uma produção muito diversificada e em série. Com instalações racionalizadas, com métodos mecânicos, com melhor rendimento, deram às olarias de Molelos novo alento, não deixando morrer a arte.
Por sua vez, o poder autárquico envolveu-se com determinação no domínio da promoção deste seu artesanato. Iniciativas de índole diversa, no sentido de reforçar as referências históricas, culturais, científicas, técnicas e turísticas de tão importante e rico património concelhio, têm vindo a ser implementadas. Destacamos pela sua projeção, a existência do museu municipal Terras de Besteiros, inaugurado em 2010, e que conta no seu discurso museográfico, com uma sala exclusivamente dedicada à louça preta;
De todas as peças a mais emblemática é a “Bilha do Segredo”, famosa devido ao segredo que lhe dá o nome. Este segredo permite beber água por esta bilha sem a verter. Para revelar apenas parte do segredo, chama-se a atenção para o facto de existir um pequeno orifício na asa que se deve tapar quando se tentar descobrir este famoso segredo.

Leave a Reply