Faro, Faro

Festas e Feiras

Todos os anos, nos dias 2 e 3 de maio, na Aldeia de Estoi, no Concelho de Faro, é celebrada a Festa da Pinha, uma tradição secular, que segundo fontes orais remonta a mais de dois séculos. Na sua génese podemos encontrar uma vertente religiosa e outra de carácter pagão.
Terão sido os almocreves, os prenunciadores desta festa.
As viagens dos almocreves efetuadas por caminhos hostis e perigosos tinham como meio de transporte as carroças puxadas por mulas ou cavalos e eram efetuadas entre o Algarve e o Alentejo, tendo como finalidade a permuta de produtos regionais. Aquando destas viagens, eram confrontados com inúmeros obstáculos que punham em risco as suas vidas: Salteadores e lobos eram alguns dos perigos com que muitas vezes se deparavam.
Segundo rezam os mais antigos, a génese da festa remonta a tempos imemoriais, quando um grupo de almocreves numa das suas viagens de regresso à aldeia pernoitou num acampamento, sendo aqui cercados por uma alcateia de lobos. Desesperados, rezaram à Nossa Senhora do Pé da Cruz suplicando-lhe auxílio. A súplica foi atendida e em agradecimento concretizaram uma festa em homenagem a Nossa Senhora do Pé da Cruz, a cuja ermida chegaram já noite cerrada à luz de archotes. Aí, acenderam uma fogueira como forma de gratidão para com a sua padroeira. Desde então, a festa passou a fazer parte de uma tradição que perdura até aos dias de hoje.
Nos dias que antecedem o evento, começam os preparativos: a ornamentação dos carros e dos animais que irão fazer parte do cortejo, com palmas e flores vistosas e multicolores, em que prima a originalidade de cada um.
A festa inicia-se pela manhã do dia 2 de maio, com a bênção dos romeiros que irá ser feita no Largo do Mercado, com a concentração dos participantes do desfile formado pelos cavaleiros trajados a rigor e por carroças, camiões e tratores vistosamente decorados.
Em seguida, desfilam pela aldeia gritando alegremente “Viva Pinha” e partem em direção ao Ludo, local onde se irá realizar o almoço e a festa, formados por diversas iguarias e bebidas e um convívio animado por espetáculos de música e dança.
É ao final do dia que se inicia o regresso à aldeia. Nesta altura, já bastante alegres e empunhando enormes archotes, partem em direção a Estoi, chegando já noite cerrada. No Largo da Liberdade, frente à igreja matriz, são recebidos por uma enorme multidão e por um espetáculo composto por música e fogo-de-artifício. Em seguida, desfilam pela aldeia dando “Vivas à Pinha”, até à Ermida do Pé da Cruz, onde lançam os archotes e alecrim para uma fogueira acendida em homenagem à sua padroeira.
A festa continua com música, dança e muita alegria até de madrugada, terminando no dia 3 de maio, dia de Vera Cruz, com uma missa de Ação de Graças a Nossa Senhora do Pé da Cruz.

Leave a Reply